Interview with Ricardo L. Neves

Lembra-se da primeira história que escreveu?
Lembro-me perfeitamente. Foi um conto de terror, salvo erro. Ainda o tenho lá para casa, algures. Foi a primeira coisa que escrevi à máquina (na altura ainda não usava computador).
E teve críticas a esse conto?
Nunca o mostrei a ninguém. Na altura ainda não sabia se queria mesmo ser escritor. Aquilo era só uma experiência, uma brincadeira...
Mas essa "brincadeira", depois passou a ser séria.
Sim. Talvez por isso é que eu ainda guardo essa história.
E não quer falar mais sobre ela?
Não particularmente. Posso dizer que serviu de ponto de partida para um dos meus romances. Não vou dizer qual.
O sítio onde cresceu influenciou a forma como escreve?
Até aos vinte e qualquer coisa anos nunca parei muito tempo no mesmo sítio. Andava sempre em viagem. Sem dúvida que isso influenciou a maneira como olho para o mundo, e para a escrita também.
É um homem de muitas terras?
Acho que não seria quem sou se não fosse.
Já lá vão alguns anos desde o seu último trabalho. Para quando um regresso?
Para tão breve quanto possível, espero eu.
Já tem algum trabalho na forja?
Vários, mas prontos a sair talvez um.
O que nos pode adiantar sobre esse próximo trabalho?
O mais provável é que venha a ser um livro de contos, mas ainda é cedo para ter a certeza.
Escreve para si ou para os seus leitores?
À partida escrevo primeiro para mim, no sentido em que tenho de gostar do que escrevo. Isto é um ofício muito moroso e exaustivo, mas é também divertido. Escrever algo que não seja do meu agrado é subverter esse espírito. Quanto aos leitores, sei que estão lá, mas não me preocupo em mantê-los todos ou cativar mais. Escrevo o que quero, o que gosto, com a noção de que uns ficarão, outros virão e outros partirão.
O que faz quando não está a escrever?
De há uns anos para cá, comecei a ver programas de culinária.
E vê só ou faz também?
Faço algumas coisas, quando tenho paciência para isso. Mas continuo a ser o tipo que é capaz de passar uma semana a comer pizzas aquecidas no microondas.
Published 2014-02-17.
Smashwords Interviews are created by the profiled author, publisher or reader.

Books by This Author

Let The Shadow Take The Blame
You set the price! Words: 3,030. Language: American English. Published: September 13, 2017. Categories: Fiction » Horror » Weird fiction, Fiction » Horror » Ghost
Ever wondered what it would be like to have a shadow as a friend? You could ask Jonathan Light. He knows exactly how it is, but he can't tell because somethings are to be kept secret. Or bad things may happen...
Chef, caçador de demónios
Price: $0.99 USD. Words: 810. Language: Portuguese. Published: April 1, 2017. Categories: Fiction » Humor & comedy » Black comedy, Fiction » Horror » Undead
Onde: uma pequena cabana na floresta Quando: Noite de Inverno (fria e chuvosa) Lá fora, os demónios anseiam por entrar. A mise en place está pronta. É hora de começar a aula.
O sítio onde morremos
Price: $1.99 USD. Words: 8,860. Language: Portuguese. Published: October 5, 2015. Categories: Fiction » Thriller & suspense » Supernatural, Fiction » Fantasy » Urban
Patrícia, a irmã de Raquel, morreu num acidente de viação. A caminho da morgue para se despedir da irmã, Raquel cruza-se com um carro preto idêntico ao que esteve envolvido no acidente. Raquel segue o carro em busca de respostas, mas acaba por ser confrontada com questões que põem em causa a verdade sobre quem de facto terá morrido.
Quem tudo vê
Price: $0.99 USD. Words: 5,840. Language: Portuguese. Published: February 16, 2014. Categories: Fiction » Horror » Weird fiction, Fiction » Horror » Occult
Tudo o que Júlio queria era ver o mundo pelos olhos de Alice. Mas quando essa obsessão se torna a sua razão de existir, conseguirá Júlio resistir à loucura?
O homem que não estava lá
Price: $0.99 USD. Words: 2,600. Language: Portuguese. Published: April 15, 2013. Categories: Fiction » Romance » Paranormal
Um homem entra num bar em busca de respostas para perguntas que desconhece.